Sem remédio na rede pública, pacientes com lúpus precisam pagar para não interromper tratamento

A caixa de azatioprina com 50 comprimidos custa quase R$ 200 e não dura nem um mês. Secretaria informou que já realizou o processo de compra do medicamento.

Os pacientes com lúpus, que precisam tomar uma medicação específica, reclamam da falta do remédio na rede pública de saúde. A caixa de azatioprina com 50 comprimidos custa quase R$ 200 e não dura nem um mês. Quem não tem condições de comprar o medicamento está preocupado em ter que interromper o tratamento.

A estudante Emily Fernandes faz o tratamento há cinco anos e agora está tendo que pagar pela medicação. “Minha preocupação é o lúpus reativar de novo, eu ter que voltar para o hospital, fazer o tratamento do zero porque só sabe dos problemas, só quem tem a doença”.

O médico reumatologista Danilo Garcia Ruiz explica que interromper o tratamento é muito perigoso. “O corpo passa a atacar o próprio corpo. É uma desregulação do sistema imunológico. Um rim que não for adequadamente tratado, que não for bem controlado com medicações, pode evoluir para insuficiência, até para diálise e em último caso, pode ser fatal, se não tratado adequadamente”.

A Emily está se preparando para ir a Goiás tentar conseguir o remédio pelo SUS porque não tem mais condições de pagar por ele. A resposta quem encontrou na Secretaria de Saúde é a mesma desde janeiro. “Ligo quase todos os dias perguntando, a única coisa que eles falam é que a medicação não chegou e nem tem previsão”.

A Secretaria Estadual da Saúde informou que já realizou o processo de compra do medicamento e a entrega deve ser feita nos próximos dias.

Fonte: G1 Globo

One thought on “Sem remédio na rede pública, pacientes com lúpus precisam pagar para não interromper tratamento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.